Press "Enter" to skip to content

Quem Com Ferro Fere Com Ferro Será E Complete o Ditado Quem Com Ferro Fere Com Ferro Será

Quem Com Ferro Fere Com Ferro Será E complete o ditado quem com ferro fere com ferro será And Complete o Ditado Quem Com Ferro Fere Com Ferro Será É simples de lembrar. Um complô foi armado para prender Jesus. Havia agentes da aristocracia secular e espiritual, também Judas, o traidor. Eles queriam ação rápida, mas houve um pequeno esforço de oposição, que culminou com a orelha de um soldado romano cortada com um golpe de espada.

É de opinião unânime que saiu o provérbio reiterado: “Provavelmente vai ferir quem bater no ferro”.

Este evento da espada, na prisão de Jesus, parece-me um prazo final, pois estamos em dias em que muitos homens e mulheres pretendem se transformar em Mortais. Eu acredito que seja o oposto. O descontentamento, a raiva, a raiva, o ódio, a retribuição podem nos deixar confusos pela violência e também queremos mais do que gastar na construção da paz, uma calma que não é apenas uma falta temporária de guerra.

Todo cidadão tem o direito de escolher os candidatos da esquerda, da direita no meio ou da direita. Não importa, o julgamento pode impor sua maneira de pensar como a única e adequada abordagem para consertar a nação. As eleições, ao invés de abrirem campos de batalha, se provocam ação e reflexão, para buscarem um procedimento de retransmissão de governantes, de substituição de paradigmas que não davam de forma direta, uma troca ponderada de cargos, uma chance providencial de repudiar o que não está funcionando bem e também para reconhecer experiências excelentes, que tem que perdurar.

O efeito da urna eleitoral será caracterizado por inúmeros lamentados por muitos outros. Mas não será certo de maravilhas ou verificação de desastres. Do deleite de uns poucos pelo sucesso do candidato e da decepção de outros pelo colapso do voto, vai ser muito bom ouvir a voz do fundo, a instrutora da vida. História e história da pátria. Em seus cinco anos de existência política, o Brasil viu de tudo: grandeza e manobra de bagagem. Fora da mesma matéria: uma Alemanha que elege Hitler e depois se refaz, porque está entre as nações mais desenvolvidas da Europa, junto com também um Japão dilacerado pela guerra, hoje o terceiro mercado mundial.

Aconteça o que acontecer amanhã nesta eleição em particular, continuaremos com nossos problemas realmente graves de desemprego, desigualdade social e corrupção, que não serão resolvidos, milagrosamente, a partir de 1º de janeiro, por quem sobe a rampa. A resposta virá, como sempre, no trabalho de toda a população, desde que mais conscientes de sua responsabilidade em valorizar o processo democrático, juntamente com todas as reformas políticas necessárias.